No mês de abril, o Hospital do GRAACC completou o marco de mil aplicações de quimioterapia intra-arterial. Isso significa que são centenas de crianças que tiveram acesso a um dos tratamentos mais avançados para curar o retinoblastoma, um câncer que, apesar de raro, é o que mais acomete os olhos na infância.

Crianças como a Valentina, que com apenas um ano e dez meses, teve o câncer diagnosticado após o pai perceber um brilho diferente num dos olhos da menina e investigar junto a um pediatra. Em seguida, a família decidiu se mudar por um tempo para São Paulo para fazer o tratamento no GRAACC, após terem recebido a indicação sobre a experiência da equipe do hospital. “Nos sentimos mais confiantes no tratamento quando chegamos ao GRAACC e soubemos das altas chances de cura. Após quatro meses, e de realizar quatro infusões de quimioterapia intra-arterial, ela teve alta, sem precisar de cirurgia. Hoje, aos três anos, Valentina está curada, brinca muito e adora posar para fotografias”, conta a mãe Alessandra.

A técnica que tratou a menina, realizada no GRAACC pelo médico neurointervencionista Dr. José Roberto Fonseca, injeta o quimioterápico diretamente no vaso sanguíneo que irriga os olhos. Assim, o medicamento chega com maior concentração e com mais precisão no tumor, diminuindo efeitos colaterais como a queda de cabelo.

No Hospital do GRAACC, há recursos para o retinoblastoma que vão do diagnóstico ao tratamento. Como centro de referência na cura desta doença rara, o hospital possui uma equipe multidisciplinar especializada e todas as modalidades terapêuticas necessárias: quimioterapia endovenosa, quimioterapia intra-arterial, intravítrea, braquiterapia, laser, crioterapia.

O índice de cura ultrapassa os 90% para este câncer no hospital. “Ao longo da história do GRAACC, acompanhamos os avanços da ciência e somamos todos os recursos necessários para oferecer cura com qualidade de vida. A quimioterapia intra-arterial é especialmente importante para a preservação do globo ocular e da visão”, conta a Dra. Carla Donato Macedo, oncologista pediátrica especialista em retinoblastoma.

 

 


Compartilhe:

Sinais e Sintomas

O diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as chances de cura do câncer infantil

Diagnóstico Precoce

O diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as chances de cura do câncer infantil